Em Tangará da Serra, Mauro Mendes fala em redução da máquina e recuperação financeira do estado

Candidato do DEM ao Paiaguás criticou a atual gestão,lamentou situação da saúde pública e prometeu "colocar Mato Grosso nos eixos", fortalecendo a economia sem aumentar impostos

O candidato ao governo pela coligação ‘Pra Mudar Mato Grosso’, Mauro Mendes (DEM), incluiu Tangará da Serra em sua peregrinação pelas regiões Médio Norte e Sudoeste do estado. A coligação promoveu ato político na noite de sábado (01/09), na Flyer Eventos, quando Mauro Mendes esteve acompanhado dos principais nomes da aliança, como os candidatos ao Senado Jayme Campos (DEM) e Carlos Fávaro (PSD).

Coligação promoveu ato político na noite de sábado (01/09), na Flyer Eventos, quando Mauro Mendes esteve acompanhado dos principais nomes da aliança, como os candidatos ao Senado Jayme Campos (DEM) e Carlos Fávaro (PSD)
Coligação promoveu ato político na noite de sábado (01/09), na Flyer Eventos, quando Mauro Mendes esteve acompanhado dos principais nomes da aliança, como os candidatos ao Senado Jayme Campos (DEM) e Carlos Fávaro (PSD)

Também marcaram presença o deputado estadual Wagner Ramos, que disputa a reeleição pelo PSD, e o vereador Rogério Silva, candidato a uma vaga na Câmara Federal pelo MDB. Outros vereadores – entre eles o presidente da Câmara Municipal, Hélio da Nazaré (PSD) – também marcaram presença, assim como o ex-prefeito Jaime Muraro, principal nome do DEM em Tangará da Serra.

No discurso de Mauro Mendes não faltaram críticas à gestão do atual governador, Pedro Taques (PSDB), que briga pela reeleição. Mendes foi severo ao citar o endividamento do estado, a “grande quantidade” de obras paralisadas e o “abandono” da saúde.

No discurso de Mauro Mendes não faltaram críticas à gestão do atual governador, Pedro Taques (PSDB): “O estado não consegue pagar fornecedores, não faz o mínimo necessário para prestar um serviço de qualidade ao cidadão"
No discurso de Mauro Mendes não faltaram críticas à gestão do atual governador, Pedro Taques (PSDB): “O estado não consegue pagar fornecedores, não faz o mínimo necessário para prestar um serviço de qualidade ao cidadão”

Sobre a saúde, Mendes alfinetou a atual gestão criticando o que taxou de ‘promessas’ de soluções para o setor. “Quantas vezes foi prometido um hospital regional aqui em Tangará da Serra? Muitas! Mas por que prometer coisas novas se o que já se tem pode funcionar melhor? A cidade tem um grande hospital, novo, de ótima estrutura. Já falei com o prefeito Fábio (Junqueira, do MDB) sobre um convênio que pode acontecer entre o governo e o município”, colocou.

Grave crise

Segundo o candidato democrata, Mato Grosso passa por uma grave crise no governo. “O estado não consegue pagar fornecedores, não faz o mínimo necessário para prestar um serviço de qualidade ao cidadão. A saúde piorou muito nos últimos anos, temos muitas obras paralisadas”, disse Mendes, que é empresário e comandou a prefeitura de Cuiabá entre 2012 e 2016, período em que faz questão de citar seus “90% de aprovação”.

Mendes foi severo ao citar o endividamento do estado, a “grande quantidade” de obras paralisadas e o “abandono” da saúde
Mendes foi severo ao citar o endividamento do estado, a “grande quantidade” de obras paralisadas e o “abandono” da saúde

Para mudar a situação do estado, o candidato ao Paiaguás pelo DEM propõe a redução da máquina pública. “Nós vamos enxugar essa máquina, que pode ser reduzida de 23 para 16 secretarias. Vamos cortar 30% dos cargos comissionados”, prometeu, garantindo que é possível economizar em várias áreas.

Incentivos

O democrata rechaçou, veementemente, a possibilidade de aumento de impostos como forma de buscar o equilíbrio fiscal do estado. “O cidadão não aguenta mais aumento de imposto”, argumentou, lembrando que uma das saídas para fortalecer a economia do estado e ampliar a capacidade de geração de empregos é atrair investimentos privados, ainda que seja necessário abrir mão de receitas a título de incentivos fiscais. “Os programas de incentivos são uma redução tributária do quanto é cobrado de imposto para você estimular Mato Grosso a atrair indústrias. Incentivo servem para compensar essa desvantagem competitiva que Mato Grosso tem. Se não dermos esses incentivos a empresas, não virão nenhuma e vamos ficar com 100% de nada”, justificou.

Mauro Mendes e a caravana da coligação “Pra Mudar Mato Grosso” (DEM / PSD / PDT / PSC / MDB / PMB / PHS / PTC) pernoitaram em Tangará da Serra e, na manhã deste domingo, visitaram a Feira do Produtor antes do retorno à capital.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
%d blogueiros gostam disto: