Perigo: Incidentes com cargas e fragmentos na pista, chegam a 745 por ano na BR-163

Em 196 situações, esses fragmentos foram arremessados sobre outros veículos. No restante dos casos, peças e objetos atingiram terceiros de alguma forma.

Trecho da BR-163, sentido a Sinop

 

A BR-163, integra o Sul ao Centro-Oeste e Norte do País. São mais de 3 mil quilômetros de extensão da rodovia, sendo a manutenção de 850,9 km, entre os municípios de Itiquira (MT) e Sinop (MT), de concessão da Rota do Oeste .

Ao todo, 19 municípios estão compreendidos na extensão concedida, incluindo a capital mato-grossense, Cuiabá, e as cidades de Rondonópolis, Nova Mutum, Lucas do Rio Verde, Sorriso e Sinop, principais produtores de agrícolas do Estado, campeão na produção de grãos e leguminosas.

Nesta sexta-feira (22) a Concessionária, revelou um dado preocupante; por dia, são registrados, dois incidentes envolvendo peças de veículos ou cargas mal acondicionadas.  Os casos colocam em risco a segurança de quem trafega pela rodovia e poderiam ser reduzidos com cuidados adequados com a carga e a manutenção periódica dos veículos, especialmente quanto aos pneus e sistema de freios.

No decorrer de 2017, a Concessionária registrou 745 incidentes envolvendo peças de veículos (campanas, ressolagem, para-choque, pedaço de freio) e objetos diversos (pedaços de madeira, ferramenta, barra de ferro). Em 196 situações, esses fragmentos foram arremessados sobre outros veículos. No restante dos casos, peças e objetos atingiram terceiros de alguma forma.

O levantamento da Rota do Oeste demonstra ainda que foram recolhidos cerca de 24 mil materiais de plástico, borracha, madeira, ferro ou borracha relacionados a veículos. Os objetos mais encontrados na rodovia são a borracha (proveniente dos pneus) e o metal (ferramentas, barras de ferro, campana, pedaços de freios).

Para quem está viajando, três atitudes básicas podem ser adotadas por quem está na rodovia: manter uma distância segura dos veículos, principalmente se for de carga; avaliar as condições do veículo e o acondicionamento da carga que está à frente.

Fonte: Rota do Oeste

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
%d blogueiros gostam disto: